Planejamento fiscal

Planejamento fiscal: como se preparar para 2021

Com o impacto da pandemia do coronavírus, 2020 foi um ano turbulento e cheio de mudanças para as empresas. Na área fiscal, não foi diferente com diversas normas tributárias, agravando a complexidade da legislação já existente no Brasil. Neste sentido, como fazer o planejamento fiscal se torna um grande desafio em 2021.

Vale destacar que a crise e os tempos adversos em decorrência do isolamento social e da covid-19 trouxeram alterações significativas e tendências para o modelo de negócios para organizações de todos os portes e segmentos. 

Por exemplo, as aulas virtuais em escolas e universidades, o aumento das compras online forçando a migração de mercados, comércios e outros para o e-commerce, a necessidade de maior rapidez nas entregas, os efeitos na produção industrial, o crescimento do home office, a digitalização das empresas, entre outros.

Ao mesmo tempo, diversos negócios enfrentaram – e muitos ainda enfrentam – queda de vendas e faturamento. De acordo com dados do IBGE, 62,4% das empresas registraram impactos negativos em suas atividades. E, até a 1ª quinzena de junho, 522 mil companhias fecharam as portas por causa da pandemia, indica o instituto.

De olho neste cenário e acompanhando as perdas nos mais variados ramos, a legislação tributária e fiscal, que já é complexa no país, passou por atualizações e flexibilizações. Isso possibilitou descontos, adiamentos e cancelamentos do pagamento de tributos e cumprimento de determinadas obrigações.

Inclusive, o volume de normas tributárias teve um grande aumento durante a pandemia para contemplar todas essas alterações. O que exige muita atenção e cuidado dos gestores para verificar todas as mudanças e desenvolver o planejamento fiscal para 2021 de modo assertivo.

Principais tendências fiscais e tributárias para 2021

As normas fiscais e tributárias tiveram modificações nos âmbitos federal, estadual e municipal. Por isso, é preciso entender o impacto dessas mudanças devido à pandemia e as tendências fiscais para o ano de 2021.

Mudanças nas normas tributárias 

Foram alterações que abrangem as obrigações tributárias a serem pagas e as obrigações acessórias a serem entregues ao Fisco.

No caso das legislações federais, por exemplo, houve prorrogação de pagamento de PIS-Pasep, Cofins, CPRB e tributos contidos no Simples Nacional, redução de alíquota de IPI para produtos usados no combate ao coronavírus, além do adiamento da entrega da EFD-Contribuições, DCTF e ECD, entre outras.

Os Estados também tiveram mudanças como redução de base de cálculo de ICMS e, considerando as 27 capitais, cerca de 75% deliberaram normas tributárias em razão da atual conjuntura.

Melhora do planejamento fiscal

Com a situação de crise ainda pendente e a retomada econômica, as empresas precisam entender como se beneficiar de tais incentivos governamentais para planejar o futuro.

Então, se a companhia aceitar as postergações concedidas pelo governo, é preciso mapear e programar tudo que deve ser pago e enviado ao Fisco dentro das novas regras.

Portanto, além de repensar as estratégias, os processos produtivos e os modelos de negócios, é fundamental ter um planejamento fiscal cuidadoso para enfrentar e superar os obstáculos atuais, cumprindo com todas as obrigações, sem perder os novos prazos para pagamentos e entrega de documentos.

Transformação digital na área fiscal

A transformação digital já era uma necessidade latente para todos os setores das empresas antes mesmo da pandemia. 

No caso da área fiscal e tributária, muitos processos passaram a ser realizados de forma digital, como a emissão de notas fiscais eletrônicas e demais documentos, autenticação por certificado digital, envio do arquivo XML da NF-e para a Receita, a entrega de obrigações acessórias, entre outros.

Mas, com a pandemia, o isolamento social e as mudanças nas legislações, ficou latente a necessidade de acelerar essa transformação e contar com tecnologias e soluções fiscais, com calendário inteligente e atualizações constantes, para automatizar, monitorar e gerenciar os documentos fiscais. 

Uma vez que essas ferramentas reduzem o fluxo de trabalho operacional, evitam erros nos documentos e envios, aumentam a produtividade, diminuem custos e permitem que a equipe se foque em atividades mais estratégicas.

Terceirização dos processos fiscais 

Para garantir a correta entrega das obrigações acessórias e o cálculo de impostos com precisão, outra tendência importante é a terceirização desses processos. Com um parceiro especializado, com capacidade operacional, conhecimento e tecnologia necessária, é possível manter o compliance fiscal e tributário, reduzir custos e ainda otimizar o planejamento fiscal.

4 dicas para o planejamento fiscal para 2021

Ferramenta indispensável para promover uma gestão fiscal eficiente, ainda mais em tempos de crise e retomada econômica, o planejamento fiscal ajuda a evitar perdas de prazos, além de pagamentos excessivos e desnecessários de tributos.

Então, veja dicas para assegurar o melhor planejamento fiscal:

1. Regime de tributação

Com os 3 regimes existentes de tributação, considerando o Simples Nacional, Lucro Presumido e Lucro Real, é preciso analisar alguns pontos para ver qual o enquadramento tributário mais indicado para a sua empresa. São eles:

  • Porte e segmento de atuação da empresa;
  • Resultados do ano anterior e a margem de lucratividade;
  • Orçamento para o próximo ano de exercício, com previsão de faturamento.

2. Tributos e obrigações para 2021

Com as prorrogações de pagamentos e entrega de declarações, é preciso identificar tudo do ano anterior que ficou para 2021. E, mais importante, é se atentar aos vencimentos e prazos do ano atual, que permaneceram como previsto nas legislações.

3. Mudanças na operação da empresa

O planejamento fiscal precisa ser condizente com a situação da empresa. Por isso, quaisquer alterações, seja na estrutura de capital, contratação de profissionais, terceirização de serviços, abertura ou fechamento de filiais, mudança de sede, lançamento de novos produtos e serviços precisam ser consideradas na definição dos tributos e do calendário fiscal.

4. Apoio de tecnologias

Para ganhar mais eficiência no planejamento fiscal, as empresas podem investir em ferramentas tecnológicas e de automação para diminuir custos e melhorar o processamento dos tributos e das obrigações acessórias.

Conte com o apoio da GSF Fiscal

Neste cenário de mudanças e retomada, ter um software fiscal completo e personalizável pode ajudar e muito o seu negócio. 

Empresa brasileira com mais de 25 anos de experiência em software fiscal, a GSF Fiscal busca proporcionar uma experiência fácil e prática com um sistema de inteligência e flexibilidade para pequenas, médias e grandes empresas. Atendemos a todas as necessidades fiscais/tributárias federais, estaduais e municipais.

Nosso software fiscal realiza a geração de todos os documentos eletrônicos, com uma plataforma única com diversas funcionalidades, sistema de BI integrado e emissão de relatórios desenvolvidos pelos usuários.

Além disso, promovemos rápida implementação e preço 30% menor do que a concorrência. Para saber mais detalhes, entre agora mesmo em contato com a nossa equipe.

Baixe nosso ebook agora mesmo e saiba tudo sobre as Boas Práticas para Conformidade Fiscal e Tributária.

Deixe uma resposta